Gereniamento de dinheiro no casamento

Uma conta conjunta ou separada? 10 critérios para uma boa tomada de decisão

O coração diz "nós somos um", mas o senso comum sugere que ouvir as emoções pode ter um efeito desastroso sobre o orçamento familiar. Após o casamento melhor ter uma conta conjunta, ou melhor separar as contas? É um dilema dos muitos jovens que entram em um relacionamento sério. Não há uma boa resposta.

A problema de "em conjunto ou separadamente" pode tornar-se muito emocionante, porque afeta questões tão importantes como a confiança mútua.

1. Rigor e independência financeira

Acontece que uma pessoa em um relacionamento gosta de gerir o dinheiro, e o outro tem um problema com isso. E não se trata de gastos imprudentes, apenas de cuidar de que a conta foi usada corretamente, para pagamento sem atraso, de gerir de forma independente como investir fundos excedentes, etc. Quando uma pessoa tem um talento especial para isso e o outro não muito, é mais adequado pensar de uma conta conjunta para otimização conjunta das finanças. Pelo menos uma pessoa vai cuidar do que tudo é pago a tempo para evitar as surpresas desagradáveis.

2. Conveniência

Um benefício de uma conta conjunta é o acesso conveniente ao dinheiro. Uma pessoa cuidando de uma conta é mais conveniente do que duas pessoas cuidando de suas contas separadas. É ainda manteve uma "margem de segurança", ou seja, o saldo mínimo. No caso de contas correntes separadas tais "margens" separadas devem ser dois. É também mais fácil de gerir o dinheiro. Salários afetam uma conta, o excedente pode ser investido sem a criação de  fundos excessivos em uma conta básica corrente. Ao mesmo tempo esta conveniência, pode ser uma faca de dois gumes - se um dos parceiros trata dinheiro de forma imprudente, o acesso conveniente aos fundos pode ser um problema.

3. Os custos de manutenção de contas

Claro, os hóspedes do QualBanco aproveitam dos custos mínimos de funcionamento de contas bancárias. No entanto, deve estar cientes de que as contas separados podem estar associados com os custos de manutenção. Mas mesmo se as contas correntes são gratuitas, ter um cartões de crédito separados pode ser um custo significativo no seu orçamento doméstico.

4. Utilização de prêmios - cashback

Bancos competem na oferta de programas de prêmios para recompensar o uso ativo dos serviços deles. Casamento dá-nos a oportunidade de dobrar a vantagem. Dependente do banco e o programa de prêmios dele, as contas separadas para sua esposa eo marido pode dar extra algumas centenas de Reais por ano a partir do cashback bônus / moneyback e sistemas de pontos. É importante de confiar nas ofertas, a fim de maximizar o impacto delas sobre as suas finanças pessoais.

5. Confiança

Além de critérios técnicos relevantes para uma decisão sobre a conta bancária conjunta, há também questões emocionais. O baixo nível de confiança mútua entre os parceiros é a causa mais comum de discussão aguda sobre o orçamento comum. Este é o mesmo dilema que qualquer outro grande desafio em relação a dois adultos e vocês tem que enfrentá-lo.

Quando duas partes têm opiniões divergentes, não aparecem para discutir os argumentos emocionais, que podem assumir a forma de chantagem emocional. É muito mais fácil tomar uma decisão responsável quando o critério de confiança mútua vai sair no final de considerações. Em primeiro lugar, ver se outras razões substantivas não sugerem que é melhor ter uma conta separada. Em seguida, a discussão não será iniciado a partir da difícil questão da confiança mútua. Você também deve aprender a separar as questões de confiança geral na outra pessoa da „saúde financeira” - duas totalmente diferentes esferas da personalidade humana.

6. A necessidade de paz

Pense em como você sabe como tolerar as despesas do seu parceiro. O marido prontamente aceita a compra de bolsa numero X? A esposa permite o marido sair para cerveja com os amigos ou compra de mais um „gadget desnecessário"? É importante entender se você está propenso a controlar o orçamento da outra pessoa e utilizar o fato de gastar dinheiro contra ela.

Ninguém gosta de explicar os gastos pessoais para ninguém. Se você realmente suspeitar que isso pode ocorrer, provavelmente é melhor para vocês possuir contas separadas. Na falta de capacidade de distanciar-se as despesas do Parceiro, contas separadas são recomendados para o seu próprio bem-estar. Por que ficar chateado?

7. As diferenças de salário

Uma das razões para os problemas na consulta de um modelo financeiro harmonioso da família podem ser as disparidades na remuneração dos cônjuges. E mesmo se você ganha o semelhante no início, com tempo algumas diferenças podem surgir, por exemplo quando uma pessoa decide ficar em casa para cuidar dos filhos ou por causa de abandonar / perder o emprego.

Por um lado, „o ganhador" pode usar a posição financeira dominante dele e secretar dinheiro para o "não-trabalho", o que em casos extremos pode levar a censurar cada despesa e o terror emocional. Por outro lado, o "partido sem ganhos" pode se sentir desconfortável, porque não adiciona dinheiro para o orçamento doméstico. Assim torna-se excessivamente frugal, perdendo a auto-estima.

Aqui não há boas receitas, mas contas separadas - com regras claramente definidas de seu poder (também em uma situação em que uma pessoa não ganhar dinheiro), pode ajudar a resolver este problema. A seguir, apresentamos uma exemplo simples de resolver este problema.

8. Combine os caracteres a partir da disciplina financeira

Outro critério é uma tentativa de responder à pergunta sobre a sua abordagem para o dinheiro. Se você se comportam de forma semelhante em termos de poupança ou gastar dinheiro e - adicionalmente - aceitam-se em termos de ações financeiras, então nada fica no caminho de ter uma conta conjunta. Se você não aceitar o comportamento do Parceiro, algo te incomoda na forma como ele trata o dinheiro e - ao mesmo tempo - não são capazes de "igualar", é um pré-requisito para ter contas bancárias separadas.

9. Hábitos financeiros ruins

Hábitos financeiros ruins que você ou seu parceiro podem tomar forma realmente drástica: a impossibilidade de limitar as gastos, compras compulsivas, e até mesmo Shopaholics. Se uma pessoa em um relacionamento tem um desses hábitos maus, nada de bom virá de ter uma conta conjunta. Além de uma possível terapia, definitivamente vale a pena considerar introdução de "racionamento" de dinheiro.

10. As dívidas do passado

Há uma situação em que é aconselhável ter contas bancárias separadas e até mesmo considerar assinar acordo pré-nupcial - se uma das pessoas pertencentes à relação se submete a ele com "dote" das dívidas anteriores.

Mesmo se você decidir pagar essas dívidas em conjunto, você pode querer pensar duas vezes sobre se não for mais seguro para você de ter propriedades separadas. Em caso de problemas com o reembolso, é melhor que os cobradores de dívidas não foram capazes de entrar na propriedade de outra pessoa ou apenas propriedade comum.

O caso não é apenas dos cobradores de dívidas. Pagando compromisso de outras pessoas não devem tornar-se uma obrigação de um cônjuge por padrão. Você pode ter boa vontade e disposição para cooperar na resolução de problemas financeiros, mas -  ao mesmo tempo - cuidar para o outro lado não considerou que o problema seja resolvido automaticamente. Dívidas são, por vezes, como uma doença. Lidar com sintomas não precisa ser sinônimo de eliminar a causa real.

Como organizar contas separadas?

No caso de um conta conjunta, a situação é simples e não requer comentário especial. Dilemas surgem quando os critérios materiais e emocionais chamam para a realização de uma contabilidade separada. Como você arranjar isso para não ter problemas com o pagamento de compromissos comuns?

O modelo mais típico:

- conta corrente individual para ela - para receber o salário e cobrar despesas individuais.

- conta corrente para ele - como acima, mas na versão masculina.

- conta corrente comum - a conta, onde os ambos tem acesso e que financia todas as aquisições conjuntas - taxas, compras de alimentos, transporte, etc.

- contas e depósitos de poupança - conjuntas destinadas a poupar para objectivos comuns: o seguro de carro, comprar um carro novo, férias, renovação, fundos para as crianças, etc. Estas contas podem também servir para criar um fundo comum de despesas irregulares e financiamento da „almofada financeira" - se você ainda não possuir.

Naturalmente, o cenário acima é apenas uma das varias possíbilidades. Reúne-se um objetivo básico: para garantir a independência financeira sem a possibilidade de controlar os gastos individuais de cada pessoa no relacionamento. Fora disto, esta estrategia dá lhe uma margem de segurança em situações de emergência - no caso de falta de recursos na conta individual, os cônjuges podem em casos justificados utilizar o dinheiro da conta conjunta. Portanto vale a pena ter um cartão de débito não só para a sua conta individual, mas também para uma conta conjunta (aqui deve ser dada duas cartas para os dois co-proprietários).

Quanto depositar numa conta conjunta?

Como você decide quanto dinheiro será necessário para uma conta conjunta? Primeiro, pense sobre o quanto você precisa para pagar as contas mensais. Quando esse valor já está claro, você tem que decidir quanto dinheiro cada parceiro deve pagar no início de cada mês. Aqui você pode escolher entre duas abordagens: pagamentos iguais ou proporcional aos ganhos.

Suponha que para cobrar todos os custos comuns vocês precisem R$  2000 por mês. Se você ganhar semelhante, justifica-se que os dois pagam R$ 1000.

As coisas podem parecer diferentes quando seus ganhos diferem. Por exemplo, ele ganha R$ 2500 e ela ganha R$ 4000. Parece razoável para colocar no orçamento comum os valores na proporção de ganhos.

Vamos calcular como isto pode parecer:

Total de ganhar 2500 + 4000 = 6500

Ela ganha 4000/6500 = 61,5% das receitas em total

Ele ganha 2500/6500 = 38,5% das receitas em total

Com o método adotado, ambos devem cobrar as despesas comuns proporcionalmente:

- O orçamento para as despesas comuns: R$ 2000

- Ela deve pagar 61,5% * 2000 = R$ 1230

- Ele deve pagar 38,5% * 2000 = R$ 770

- Para ter a certeza: 1230 + 770 = R$ 2000

Em proporções semelhantes vocês poderiam transferir os recursos para a conta de poupança ou de investimento.